A doença de Alzheimer e a proteção para o câncer

 

O câncer e a Doença de Alzheimer (DA), ao longo dos tempos, se tornaram um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Mesmo com a evolução médica, suas origens e formas de tratamentos se tornam um desafio à prática clínica.

Quase 50 milhões de pessoas no globo têm demência, sendo que a doença de Alzheimer afeta 62% desse grupo. Estima-se que em 2050, a Doença de Alzheimer ultrapassará 152 milhões de pessoas no planeta. Já o câncer está entre as principais causas de morte. Estima-se quase 20 milhões de casos novos ao ano e 10 milhões de mortes em todo mundo.

Leia Também:
– Câncer durante a gestação e o desafio no tratamento

– Julho, mês de conscientização do câncer de bexiga

– Câmara Setorial da Oncologia debate tratamento de câncer na saúde pública em Mato Grosso

– Tratamento e Seguimento Oncológico, por que fazer?

– Mural de Pedido no HCanMT recebe bilhetes de orações

– Cigarros Eletrônicos: não se engane, de “descolado” e “inofensivo” eles não têm nada

– Queloide: tratamento minimiza a proliferação anormal da cicatriz

– Hospital de Câncer de MT promove o 3º Simpósio de Emergências Oncológicos

– As reações da radioterapia no câncer de mama e como minimizá-las

 

Os mecanismos fisiopatológicos dessas duas doenças são amplamente estudados, porém ainda não claramente definidos. Estudos mostram que elas compartilham alguns fatores de risco, contudo, nota-se uma correlação inversa entre o risco de câncer e doença de Alzheimer.

Paciente com a DA apresentam um risco de incidência de câncer 61% menor que a população de referência. Essa associação negativa pode sugerir a possibilidade de que a susceptibilidade a uma doença pode proteger a outra.

O câncer e a neurodegeneração são vistos como mecanismos de doença em extremos opostos do espectro: um devido a maior resistência à morte celular e o outro devido a morte celular prematura.

Um estudo publicado em 2014, na PLoS Genetics, revelou que genes são superexpressos em doenças do sistema nervoso central como Parkinson, Alzheimer e esquizofrenia e subexpressos em câncer de pulmão, cólon e próstata. Demais processos inflamatórios e mecanismos mitocondriais vêm sendo estudados como agentes envolvidos nesse processo.

Por fim, uma nova perspectiva no tratamento, tanto oncológico e mental, se abre e estudos mais aprofundados irão trazer possibilidades maiores para o tratamento e prevenção dessas doenças, entre eles as nanopartículas de oxido cério ou inibidores de tirosina quinase, que são os mais promissores.

 

*RAFAEL SODRÉ DE ARAGÃO   é médico,   Cirurgião Oncológico e Cirurgião Geral do Hospital de Câncer de MT e Oncolog MD-MSc Rafael Sodré de Aragão (CRM 6990/MT RQE 2794 RQE 5138).

Instagram:                                                               www.instagram.com/rafael_sodre_de_aragao/