Ser feliz?

Em época de muita autoajuda, os pregadores da felicidade andam em voga. As palestras motivacionais encampam os horizontes dos que precisam enxergar sentido em tudo, especialmente porque a natureza nos é indiferente.

Essa necessidade humana por uma redescoberta constante traz angústia, que nada mais é que vertigem da liberdade (Kierkegaard). Considerando que o homem e a mulher estão condenados a serem livres (Sartre), a responsabilidade daí advinda, em que o outro é o inferno (também de Sartre), posto se fazer de espelho que reflete e mostra quem somos, transforma a todos em desejosos incansáveis da felicidade, que às vezes se torna cada vez mais distante pela falta de compreensão dos escaninhos próprios da sobrevivência.

O problema maior reside na diferença entre tentação e desejo, que nem sempre é fácil de estabelecer. Resumidamente, o desejo é quando a tentação se torna consciente na pessoa. O objeto desejado, ou mesmo a situação desejada, se torna conhecida do sujeito cognoscente. Em sendo conhecida, a sua busca, se fácil ou difícil, e até impossível, tem densidade a ensejar tristeza.

Leia Também:
– Enxergar…

– PodBedelhar

– Contectados…

– A esperança de esperançar…

– Estado e Igreja 

– Direito à ironia

– Lutemos todos!

– Conhecimento em si

– Curupira, Pai do Mato, Caipora, cadê você?

– As flores estão alegres

– Felicidade pós liberdade

– A vida como ela é…

– Férias como reflexão

 

– O que te aprisiona?

– Viver melhor!

– O Kardec brasileiro

– Criminalidade

– De quem é a culpa?

– Liberdade como possibilidade

– Dia do rádio!

 

– No tempo dos sábios…

– Dualidade invisível

– Autonomia moral

– Existir e ser

– Paz e guerra

– A um passo da felicidade

– Os que lutam, a glória

– Humanos conceitos

– Os modelos mentais!

– Momentos de delírios…

– Política, moral e sanção

– Identidade social

– Toda honra, toda glória!

– Deus existe?

– Verdade? Não, fofoca

– Dignidade

– Fatos e ilusões!

– Súditos…

– Quem somos?

– Democracia e constitucionalismo

– Modernidade implacável

– Espinhos…

– Pensar e existir

– Verdade sobre si mesmo

– Corpos não mentem

– Fígado saudável, alma que suporta…

– Uma lógica, apenas!

– O mito da imparcialidade

– Versos e verdades

– Os Santificados…

– Mitos e verdades

– Direito e moral

– O real e o sonhado

– Verdade e consequência

– Ética e autenticidade

-Caráter e destino

– Sejas

-As cigarras!

-Se viver, verá!

-Mal, por misericórdia

-Intuição, valores

-Viver e melhor

-Qualquer pensamento, qualquer existência

-Um sonhador!!!

-Cuidado

-Eles Vivem?

-Paz e amor

-Consciência, de Chico

-Felicidade, a quem?

-Somos, missão e dever!

-Liberdade como pena

-Alegria, alegria…

-Do pensamento, felicidade!
-Sou por estar

-Liberdade sem asas

-Utopia para caminhar…

-Amar, de menos a mais
-Ouvir e calar
-Rir e chorar
-Somos e sermos…
-Violência circular
-Dever para com o povo
-A verdade que basta
Considerando que o homem e a mulher estão condenados a serem livres, a responsabilidade daí advinda, em que o outro é o inferno (Jean-Paul Sartre)

Vale ressaltar, contudo, que se conseguir o “algo” desejado, parte-se para novas buscas, num ritmo sem fim que se aparenta constante. Isso deságua em mais angústia. Nessa hipótese, se tem o primeiro antídoto: a limitação do desejo.

Assim, colocar seu tesouro no lugar certo, pois, onde estiver o seu tesouro ali estará seu coração (Jesus). Limitar-se e equilibrar o que se quer, somente optando pelo suficiente, não somente é virtuoso como faz “Eudaimonia” (Aristóteles), a vida feliz, aquela moralmente significativa, segundo os gregos da antiguidade.

A autoajuda não singulariza, antes generaliza. As fórmulas que traz da felicidade estão postas sem considerar a individualidade e a própria complexidade humana, que exige muito mais que regras gerais de bem caminhar. Primeiro, se deve considerar que a vida de cada qual tem altos e baixos, e para alguns essa balança não é equilibrada, pendendo quase sempre para baixo. Segundo, fatores sociais e econômicos sempre está em jogo, e os “considerandos” não se encaixam em determinados perfis.

O certo a ser feito é ensinar a suportar a vida como ela é, como está voltada para cada indivíduo. Aqui tem muito de Epicuro de Samos: cultivar a felicidade da vida simples e aceitar o sofrimento e o rigorismo dela com resignação (Epicurismo).

Vejam bem, nem de longe isso tudo alcança a resignação covarde e sem propósito. Aí seria indiferença e, pior, egoísmo para com os demais. É um estado emocional particular, voltado parta si, mas que não obstaculiza a luta política e a participação nos destinos da comunidade.

Aliás, o prazer só se reconhece na dor, o bem no mal e assim por diante. A alteridade é o “inferno” porque é ela quem se habilita para culpar. Portanto, o sofrimento faz parte da vida e é isso que precisa ser conhecido, apreendido e aceito.

As palestras de autoajudas são boas na energização de momento, mas perdem força com a realidade fora do auditório. Falta-lhes o atributo de indelével, de infinitude. E claro, sempre faltará.

Enfim, parar de buscar propósito em tudo e aceitar a realidade é um bom começo para pacificar a inquietude que sobrecarrega a angústia. A própria angústia tem seu momento de positividade; sua importância está na retirada da zona de conforto àqueles que precisam dela para exercitar a criatividade e o conhecimento.

Seres criados e não gerados pela perfeição (Deus), estão longe dos atributos da inviolabilidade ética e virtuosa. Um pouco de milênios de paciência em sucessivas visitas por estas bandas terrenas (ou na eternidade) trará cada vez mais alívio e paz.

Quem tem fé tem paciência (Alcorão).

É por aí…

*GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO (Saíto)   é formado em Filosofia e Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT); é membro da Academia Mato-Grossense de Magistrados (AMA), da Academia de Direito Constitucional (MT), poeta, professor universitário e juiz de Direito na Comarca de CuiabáE é autor da página Bedelho Filosófico (Face, Insta e YouTube).

E-MAIL:                    antunesdebarros@hotmail.com 

 — — — —

CONTATO:               bedelho.filosofico@gmail.com

 — — — —

FACEBOOK:             www.facebook.com/bedelho.filosofico

Søren Aabye Kierkegaard:  Essa necessidade humana por uma redescoberta constante traz angústia, que nada mais é que vertigem da liberdade.